Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

delivery cred Norma Mortenson Pexels

A startup de delivery de bebidas Bebida na Porta viu seu faturamento mais do que duplicar no ano passado, ao passar de R$ 2 milhões em 2019 para R$ 5 milhões em 2010

A startup de delivery de bebidas Bebida na Porta viu seu faturamento mais do que duplicar no ano passado, ao passar de R$ 2 milhões em 2019 para R$ 5 milhões em 2010. A pandemia, que colocou todo mundo em isolamento social, favoreceu as entregas.

Boa parte deste crescimento é explicada pela venda de bebidas alcoólicas. A empresa aponta que 71% de suas vendas são de bebidas alcoólicas, sendo cerveja e vinho os grandes destaques. Alguns exemplos de pedidos frequentes são: cervejas Heineken, Stella, Budweiser e Skol; vinhos chilenos e argentinos; e, dentro de destilados, whisky, gin, vodka e espumante.

Dos produtos vendidos, 23% são bebidas não alcoólicas, tendo água e refrigerantes como os principais. Os outros 6% ficam por conta de gelo, snacks, carvão e tabacaria.

“O brasileiro de forma geral está acostumado a pedir bebidas em situações de emergência pagando preços altíssimos por isso, e o Bebida na Porta não só permite pedidos urgentes a preços de supermercados, mas também o planejamento das compras em substituição ao mercado semanal ou mensal, desta forma permitindo que clientes evitem filas e sacolas pesadas”, afirma Jessica Gordon, CEO do Bebida na Porta.

Agora, com o aporte recebido de R$ 850 mil deve triplicar o número em 2021 – a estimativa é faturar R$ 15 milhões este ano, enquanto entra também no mercado B2B, para empresas.

Com mais de 100 mil pedidos entregues e com a taxa de clientes recorrentes em 60%, a empresa possui parceria com o iFood, além de um aplicativo próprio e quatro lojas para atendimento das regiões de Pinheiros, Mooca, Zona Sul e ABC.

 

Fonte: Valor Investe – 11/04/2021

guia fornecedores