Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

País conteve a epidemia graças ao uso de máscaras, confinamento e rastreamento de contatos; desde maio, nenhuma morte foi contabilizada

Por AFP

Festival da Cerveja de Qingdao

Festival da Cerveja de Qingdao: visitantes ergueram suas canecas sem máscara (AFP/AFP)

O maior festival de cerveja da China começou no fim de semana em Qingdao (leste), onde os visitantes ergueram suas canecas sem máscara no primeiro país a ser atingido pela covid-19.

O gigante asiático conteve a epidemia em seu território, graças ao uso de máscaras, confinamento e rastreamento de contatos. Desde meados de maio, nenhuma morte foi oficialmente contabilizada.

Uma situação que os participantes do festival internacional da cerveja de Qingdao consideram tranquilizadora.

A edição 2020, que começou na sexta-feira e termina no final de agosto, propõe cerca de 1.500 variedades diferentes desse álcool.

Muitos dos visitantes não usam máscaras no imenso espaço ao ar livre, onde passeiam e brindam alegremente sentados em mesas compridas.

Cidade portuária e cervejeira, Qingdao é conhecida mundialmente por sua famosa cerveja “Tsingtao”. A fábrica foi criada sob o domínio colonial alemão (1898-1914).

Para a televisão pública CCTV, a celebração da festa é uma ocasião para as pessoas recuperarem “uma vida normal.”

“Meio ano se passou desde a última vez que viajei”, disse Wang Hua, turista da província de Shanxi (norte). “Sinto-me feliz e relaxado agora”, explica.

No entanto, medidas sanitárias foram implementadas, como o número de visitantes limitado a 30% da capacidade normal. Os funcionários devem usar máscara e aferir a temperatura dos participantes.

Até os recipientes de cerveja importada foram testados para o novo coronavírus e desinfetados. Essa medida responde a um ressurgimento na China de surtos do vírus relacionados a produtos alimentícios importados.

 

Fonte: Exame – 03/08/2020

guia fornecedores