Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

ambev 6

Segundo a corretora, a pressão de custos e o ambiente altamente competitivo devem impor uma queda de 22% do Ebitda no período, para R$ 4 bilhões (Imagem: Money Times/Gustavo Kahil)

A temporada de resultados do primeiro trimestre no Brasil começará nesta sexta-feira (24), e a expectativa da XP Investimentos para a Ambev (ABEV3), cujo balanço será divulgado no dia 7 de maio, é de que a cervejaria reporte números fracos devido aos impactos do coronavírus.

Segundo a corretora, a pressão de custos e o ambiente altamente competitivo (principalmente  com a Heineken) devem impor uma queda de 22% do Ebitda, para R$ 4 bilhões, além de uma perda de 670 pontos-base de margem.

O ambiente pode se tornar ainda mais desafiador à companhia.

“No primeiro trimestre, os efeitos do coronavírus só foram sentidos efetivamente durante uma quinzena”, explica Betina Roxo, analista de Alimentos e Bebidas e estrategista de ações da XP. Para o segundo trimestre, espera-se que a desaceleração na demanda afete os resultados de maneira ainda mais intensa.

Mercado doméstico

A XP estima queda de 8,5% dos volumes da companhia no mercado doméstico e um Ebitda 28% inferior na comparação anual. Os resultados derivam do fechamento de bares e restaurantes no país com as medidas de restrição impostas pelos governos locais.

“O primeiro trimestre de 2019 foi excepcionalmente forte por conta de fatores exógenos, como um Carnaval mais tarde e um clima mais quente e menos chuvoso, o que favorece as vendas de cerveja e dificulta a comparação com o primeiro trimestre de 2020, cujo Carnaval aconteceu em fevereiro e o clima foi mais ameno”, acrescentou Roxo.

América

ambev 6

As vendas no Canadá devem vir positivas, dado que o mercado cervejeiro na região é mais resiliente (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

Para os números da América Latina, a corretora vê crescimento de 3% em volume na comparação anual, impulsionado pelos mercados argentino e paraguaio. A XP destaca que o cenário dos primeiros meses do ano passado foi bastante desafiador, o que enfraquece a base de comparação mesmo com a crise.

As vendas no Canadá também devem vir positivas, dado que o mercado cervejeiro na região é mais resiliente. A XP estima um aumento de 2% em volume e um Ebitda de R$ 365 milhões, alta de 11% ano a ano.

Já na América Central, a imposição de quarentenas mais severas na República Dominicana e no Panamá impactarão os números, resultando na retração de 8,5% em volume na comparação anual.

Investindo em canais online

Para aplacar os efeitos da pandemia em seus negócios, a Ambev resolveu investir em canais de serviços online. A empresa expandiu as entregas pelo Zé Delivery, bem como de seu e-commerce, Empório da Cerveja.

A Ambev também disponibilizou o site para que algumas microcervejarias pudessem vender suas cervejas na plataforma.

Recomendação neutra

A XP mantém sua recomendação neutra para o papel, com preço-alvo de R$ 15. Apesar de enxergar com bons olhos as iniciativas de fortalecimento que a marca vem adotando, o segmento continuará bastante pressionado pela covid-19.

 

Fonte: Money Times – 24/04/2020

guia fornecedores