Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

noticia 695225 img1 cervejaria

(Foto: Reprodução)

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-PR) reforça a importância de profissionais habilitados nas indústrias de bebidas e alimentos, de modo a garantir a segurança dos consumidores. O tema voltou a ser discutido após a contaminação da cerveja Belorizontina, da cervejaria Backer, em Minas Gerais. Além da suspeita de quatro mortes após a ingestão da cerveja, há mais 18 notificações de casos que podem estar relacionados com lotes contaminados. A polícia mineira investiga o que pode ter acontecido e como a bebida foi contaminada antes de chegar aos consumidores.

Na última fiscalização realizada pelo Crea-PR, em 2016, 27 cervejarias paranaenses foram vistoriadas, diante do crescimento deste tipo de empreendimento no Estado. Em Curitiba e região metropolitana 11 cervejarias foram fiscalizadas. O principal objetivo era identificar os responsáveis técnicos pelos locais, já que a atividade exige um acompanhamento profissional em toda a cadeia produtiva para garantir a segurança e a qualidade do produto.

Facilitador de fiscalização do Crea-PR, Murilo Granado lembra que durante as visitas no Paraná foram encontradas empresas sem responsáveis técnicos e, assim, houve a oportunidade de regularização. “Muitas delas se regularizaram e contrataram os profissionais, pois desconheciam a necessidade do acompanhamento. Percebemos inclusive um trabalho pedagógico envolvido na ação, pois mesmo empresas não visitadas pela fiscalização, de forma espontânea, ao tomarem conhecimento das exigências, promoveram a regulação, isso acontece principalmente pelo contato que existe entre elas”, comentou.

O engenheiro ressaltou que as fiscalizações do Crea-PR são orientativas em um primeiro momento, mas caso as recomendações do fiscal não sejam atendidas, isso pode gerar sanções e multas. Conforme Granado, existem alguns títulos profissionais que podem assumir a responsabilidade técnica deste tipo de empresa, dentre eles, o Engenheiro Químico, o Engenheiro de Alimentos e até mesmo o Engenheiro Agrônomo. “A atividade de uma cervejaria é de produção. Ela faz uma transformação de produto. Então, ela utilizada a matéria-prima, como água, malte e lúpulo, e através de um processo transforma isso em uma cerveja. Para fazer essa transformação, é sempre necessário haver um responsável técnico.”

Nas fiscalizações, além da atividade fim das empresas, o Crea-PR também vistoria os serviços terceirizados, como a manutenção de equipamentos. “Não basta o processo produtivo ser bem feito, se o equipamento apresentar alguma falha também pode acarretar em problemas no produto final. Então, também fiscalizamos qual empresa fez a manutenção da linha da montagem, produção e acessórios”, acrescenta Granado.

SEGURANÇA

Consultor técnico de indústrias de alimentos, o Engenheiro Químico Adriano Alberto Gonçalves explica que o profissional responsável deve acompanhar etapas de recebimento, armazenagem, moagem, brassagem, fermentação e maturação, entre outras, durante o processo de uma indústria cervejeira. “Cada etapa tem operações que devem ser monitoradas por indicadores de eficiência operacional, padrão de qualidade e segurança do produto, que precisam ser construídas e monitoradas pelo profissional”, destaca.

Gonçalves lembra ainda que as ferramentas de gestão que envolvem a segurança alimentar são primordiais para o fornecimento de um produto seguro para o consumidor, como a Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC).

O objetivo dessa ferramenta é o controle dos perigos à produção de alimentos e bebidas, que deve ser construído por um time multidisciplinar. “No estudo APPCC todos os perigos em potencial, relacionados a cada etapa do processo, devem ser identificados com base na experiência dos membros da equipe e nas informações de saúde pública sobre o produto”, explica o Engenheiro Químico.

Ainda segundo ele, o papel dos profissionais da área de alimentos é estudar e monitorar continuamente as etapas de processo, que vão desde a validação de fornecedores, recebimento de ingredientes e insumos, monitoramento dos parâmetros de produção e qualidade, manutenção dos equipamentos, inspeções de equipamentos e tubulações, até a chegada do produto no seu destino final.

 

Fonte: Bem Paraná – 23/01/2020

guia fornecedores