Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

bud light e1548105889565

Bud Light tem agora informação nutricional também nas caixas, o que serve de alerta para a indústria artesanal

Cervejeiros, precisamos falar sobre informação nutricional. Pouco a pouco, a indústria passa a discutir o assunto com mais intensidade. Nessa semana, duas associações de cervejarias alemãs sugeriram que seus membros mostrem nos rótulos detalhes sobre calorias e outras características dos produtos. Já a norte-americana Bud Light anunciou que as informações agora estarão também nas caixas, buscando se posicionar como “light” de fato.

A medida da Associação Alemã de Cervejeiros e da Associação de Cervejarias Privadas na Alemanha é como uma antecipação voluntária a pressões da Comissão Europeia, que discute há tempos tornar esse tipo de informação obrigatória nas embalagens. Os líderes das entidades esperam que outras categorias, como vinho, também adotem o novo rótulo.

Nos Estados Unidos, um acordo semelhante entre as grandes cervejarias aconteceu em 2016: mesmo sem a obrigatoriedade, elas se propuseram a oferecer informação nutricional em todas as suas embalagens até 2020.

Nesse ano, a AB-InBev deu um passo a mais e anunciou que a partir de fevereiro a Bud Light terá suas informações nutricionais bastante visíveis também nas caixas – além das latas e garrafas.

“Queremos ser transparentes e dar às pessoas aquilo que já elas estão acostumadas a ver (em outras categorias de produtos)”, disse Andy Goeler, vice-presidente de marketing da Bud Light.

Pesquisas feitas pela companhia mostraram que o público jovem tem mais interesse pelas informações e pela composição dos produtos, segundo Goeler. “Eles cresceram de olho nos ingredientes”. No caso da Alemanha, uma pesquisa do INSA Group mostra um público dividido: 52% aprova a medida.

No entanto, analistas do mercado norte-americano entendem que a decisão da Bud soa como um alerta para as artesanais. Isso porque elas podem ter se valido da não obrigatoriedade das informações para crescer sua popularidade nos últimos anos.

Dentre a fração do mercado consumidor mais preocupada com a saúde, que pode levar em conta os ganhos calóricos na escolha de sua bebida, a Bud Light sai na frente: enquanto uma lata de Stout artesanal pode passar de 210 calorias, uma de Bud Light tem 110.

Fonte: Guia da Cerveja – 22/01/2019

guia fornecedores