Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

Os dados ACNielsen de setembro mostram que das três principais cervejarias que atuam no país, Molson e Schincariol perderam mercado, enquanto AmBev aumentou sua participação no mercado nacional em relação ao mês de agosto. A Molson, que reúne as marcas Kaiser e Bavária, saiu de 10,7% em agosto para 10,3% em setembro. A mesma redução foi sentida pela Schincariol, cuja participação caiu de 13% para 12,6%. A AmBev subiu de 66,4% para 67%. A fatia conquistada pela AmBev deve-se, sobretudo, ao crescimento da marca Skol, líder de mercado. A cerveja, que respondia por 30,4% do mercado em agosto, alcançou 31,6% em setembro.

A marca Brahma ficou estacionada em 19,5%. Já Antarctica diminuiu sua presença, caindo de 11,3% para 11%. A Nova Schin, um ano depois de seu lançamento, ganhou mercado. A marca, que recebeu investimentos maciços em marketing, tem hoje 11,1% de participação, segundo dados da ACNielsen, contra 9,7% em setembro do ano passado. Em agosto, a participação da marca era de 11,6%.

A Kaiser, principal marca da cervejaria Molson, tinha 7,3% em agosto. Passou a ter 7,1% no mês passado. A Bavaria está com 2,4% do mercado, 0,1 ponto percentual abaixo do mês de agosto. Cada ponto percentual é estimado em R$ 100 milhões. Depois de um inverno longo e intenso, o forte calor do mês de setembro deve contribuir para alavancar as vendas do segundo semestre. Embora ainda não haja dados oficiais, fala-se no mercado de um crescimento de até dois dígitos.

Segundo Marcos Mesquita, superintendente do SINDICERV, entre julho e agosto, o crescimento foi de cerca de 3% comparado ao mesmo período do ano passado. "O segundo semestre deste ano deve ser melhor do que o ano passado", afirma Mesquita. No primeiro semestre, o setor de cervejas encolheu em volume. As vendas caíram 2,5% em relação aos primeiros seis meses de 2003. "Como os preços se mantiveram estáveis, as empresas perderam faturamento", diz.

Fonte: Valor Econômico - Empresas & Tecnologia - Outubro/2004

guia fornecedores