Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

sergio Lopes Presidente AcervA BAIANA

Sérgio Lopes, presidente da AcervA (Divulgação)

Quem quer investir no segmento já conta com cursos de graduação

Você sonha em se tornar um empreendedor a trabalhar com aquilo que gosta? Já pensou em se tornar um empresário cervejeiro?  Por que não investir no mercado de cerveja artesanal? Segundo dados do Instituto da Cerveja Brasil (ICB), o mercado de cerveja artesanal cresceu de 12% a 15% no Brasil somente em 2016 e, com a expectativa de que a economia se reestabeleça, projeta-se que o segmento – hoje representando 1% do total da indústria de bebida – dobre até 2020.

Com a crise, a regra básica para ter uma vida financeiramente saudável é cortar ao máximo os gastos, principalmente os que são considerados supérfluos, por exemplo, viagens e aquela cerveja do fim de semana. Porém, a tendência brasileira de consumir cerveja nunca deixa de existir, fazendo com que esse mercado reme na contramão da crise econômica.

Em produção de cerveja, o Brasil só perde para a China e Estados Unidos. No país, são produzidos 14 bilhões de litros anuais e a tendência é crescente. A cada ano, é registrado um crescimento maior, impulsionando a geração de empregos, a criação de novos negócios e, sobretudo, a perpetuação de uma nova cultura de consumo. Dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) apontam um crescimento de 37,7% no número de cervejarias registradas no Brasil em 2017, o equivalente a 679, já em 2016 só existiam 493 cervejarias.

Em Salvador, a produção de cerveja caseira é incentivada pela AcervA – Associação dos Cervejeiros Artesanais da Bahia. Como associação, a AcervA baiana completa cinco anos mas seus associados já se reuniam nas mesas de bares a mais de oito anos. O principal objetivo da associação sem fins lucrativos é promover a cultura cervejeira como hobby e para consumo próprio. “Nunca iremos incentivar que as pessoas façam a venda da cerveja de forma ilegal e sem o registro do Ministério de Agricultura”, informou Sérgio Lopes, presidente da AcervA.

A associação, que têm uma sede na Boca do Rio, em Salvador, tem em torno de 130 sócios, produz de dois a três eventos por mês, sempre trazendo um palestrante que se destaca no mercado cervejeiro ou alguém da própria associação. Segundo Sérgio, nem todo estado possui uma Acerva, mas existe uma associação brasileira de cervejeiros. “As pessoas que se interessam pela produção de cerveja artesanal se comunicam o tempo inteiro. Anualmente, temos um encontro nacional de todas AcervA. Esse encontro acontece em capitais diferentes e reúne em torno de 2 mil pessoas”, conta.

Até um ano e meio atrás, só tinha apenas uma casa que vendia insumos para fabricação de cerveja na capital baiana. Hoje, já está abrindo uma terceira loja. O pólo de cerveja artesanal está crescendo muito em Lauro de Freitas. Lá já existem cinco cervejarias instaladas e com registro do Ministério da Agricultura. Outras estão em fase final de legalização. “Em pouco tempo estima-se que tenhamos dez cervejarias na região de Salvador”, planeja Sérgio.

Além do empreendedorismo, o universo da cerveja abre um leque de possibilidades profissionais, mas é um trabalho desafiador que exige dedicação e conhecimento. Esse modelo de negócios é indicado para pessoas com experiência em vendas, que gostam de atender o público final e têm disposição para trabalhar fora do horário comercial, inclusive em fins de semana e feriados.

Há sete anos, Marcelo Vasconcelos começou a produzir cerveja em casa e a partir disso, se juntou a outros amigos que também se interessavam pela produção de cerveja artesanal e abriram uma pequena cervejaria. Com o passar do tempo, percebeu o crescimento do cenário e juntou a sua vontade de trabalhar com a comunicação e o seu amor pela cerveja e criou um blog, intitulado Portal da Cerveja e uma página no Instagram. “Hoje, a minha página no Instagram tem mais de 10 mil seguidores e o blog tem em média 800 acessos por dia”, contabiliza animado.

No portal, Marcelo posta matérias sobre o universo da cerveja artesanal, oferece dicas de bares, divulga sobre eventos e também disponibiliza cursos para produção de cerveja caseira. “Com os cursos, além de capacitar novos cervejeiros, ainda aumentamos nossa rede de amigos. É um trabalho muito prazeroso”. Marcelo tem especialização em Gestão de Leveduras, On e Off Flavours e Análise Sensorial de cerveja. “Só pelo aroma e gosto eu consigo identificar as características da cerveja, nem preciso ler o rótulo”, conta Marcelo.

Segundo o idealizador do Portal da Cerveja, o mercado da cerveja artesanal só chegou na Bahia a partir de 2010. “É um cenário que vem crescendo. O nosso estado é o maior em explosão do negócio. Esse mercado está em expansão mesmo com a crise e mesmo sendo um produto mais caro e mais elaborado”, analisa.

A maior parte da fabricação das bebidas se concentra nas regiões Sul e Sudeste, porém todas as regiões do Brasil estão investindo nesse tipo de produção. Dados de um levantamento preliminar realizado pela Associação Brasileira de Cerveja Artesanal – Abracerva mostram que o número de contratações nas empresas que trabalham com a produção de cerveja também cresceu. De acordo com informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), cervejarias com menos de 100 funcionários geraram 723 novos postos de trabalho em 2017. Entre os negócios do setor com mais de 100 funcionários, 829 postos de trabalho foram abertos no mesmo período.

Você acha que seria prazeroso trabalhar com a produção de cerveja artesanal? O Educa Mais Brasil oferece o curso de Gestão de Negócios Cervejeiros, graduação de nível superior com titulação de tecnológico. Se sua vontade sempre foi trabalhar nessa área, não perca tempo. O programa educacional disponibiliza bolsas de estudo em até 70% para essa graduação. Acesse o site do Educa Mais, procure pela graduação e faça sua inscrição. É gratuita!

Fonte: Correio 24 horas – 27/05/2018

guia fornecedores