Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

“Produtos reciclados fazem mais sucesso do que os orgânicos”, diz George Verberne, idealizador da iniciativa

alcohol alcoholic beer 1862

PÃO LÍQUIDO. EM MERCADO DE AMSTERDÃ, A CERVEJA É FEITA COM SOBRAS DA PADARIA (FOTO: PEXELS)

A Holanda já havia chamado a atenção por seu esforço contra o desperdício e a poluição quando o Ekoplaza, um mercado de Amsterdã, criou em fevereiro uma seção inteira de produtos livres de embalagens plásticas. Agora, o país inova com a campanha “Waste is Delicious” (ou os “Restos são uma Delícia”, em uma tradução livre), realizada pela rede de supermercados Jumbo, uma das líderes do setor, em parceria com outras 18 empresas.

As lojas participantes começaram a vender itens feitos com produtos, como comida, que iriam para a lata do lixo. Tem cerveja feita de pão amanhecido, cidra com maçãs quase passadas ou sopa de cenouras feiosas. A campanha engloba itens de higiene pessoal, como sabonetes produzidos a partir de restos e de cascas de laranja. “As vendas desses produtos têm sido maiores que a dos orgânicos”, disse George Verbene, responsável pela marca Jumbo e um dos idealizadores do projeto, em entrevista à Thomson Reuters Foundation.

Globalmente, um terço de toda a comida produzida é jogada fora - um desperdício anual estimado em US$ 1 trilhão, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Na Europa, pelo menos 200 empreendedores trabalham com a oferta de produtos feitos com materiais e alimentos que iriam para o lixo. Mas, no geral, são comércios pequenos, com atuação local. O engajamento de uma rede como o Jumbo e de quase outras duas dezenas de marcas eleva a iniciativa a outro patamar.

As vendas serão acompanhas pelos próximos seis meses. Conforme os resultados, podem estimular um programa oficial no país.

Fonte: Época Negócios – 20/05/2018

guia fornecedores