Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

IMG 28032018 093942 0

A Anheuser-Busch InBev, a maior cervejaria do mundo, disse em 21 de março que reduzirá suas emissões de gases do efeito estufa em um quarto até 2025 e ajudará milhares de agricultores a lidar com as interrupções no fornecimento de água, estimuladas pelo aquecimento global.

A cervejaria sediada na Bélgica também disse que tornaria todas as suas embalagens retornáveis ​​ou produzidas principalmente a partir de materiais reciclados até 2025, e está a caminho de alcançar uma meta estabelecida em 2017 para obter toda a eletricidade que comprar de fontes renováveis ​​até 2025.

"É uma situação ganha-ganha ... É boa para os negócios e boa para o meio ambiente", disse o presidente-executivo Carlos Brito à Reuters sobre os novos objetivos de sustentabilidade. Ele se recusou a estimar o custo total das medidas ou o impacto nos ganhos.

Brito disse que a AB InBev, cujas cervejas incluem Budweiser, Corona e Stella Artois, era vulnerável a mudanças ambientais, pois depende de cevada, malte, lúpulo, trigo, arroz e outros produtos cultivados por 50 mil agricultores em dezenas de países.

"Se o meio ambiente tem um problema, temos um problema", disse ele em uma entrevista por telefone de Nova York sobre distúrbios como ondas de calor, secas, inundações e tempestades ligadas à mudança climática.

"Se fôssemos um fornecedor de smartphones, nós os fabricaríamos em um único local e enviados ao redor do mundo", disse ele.

Muitas empresas estão estabelecendo metas ambientais mais rígidas depois que quase 200 nações se inscreveram para o acordo climático de Paris em 2015. O presidente dos EUA, Donald Trump, que duvida que a mudança climática tenha uma causa humana, planeja retirar os Estados Unidos do acordo e, ao invés disso, promover os combustíveis fósseis.

A AB InBev planeja reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 25% até 2025, para o equivalente a 37,93 kg (83,62 lb) de dióxido de carbono para produzir um hectolitro de cerveja, a partir de 50,57 kg em 2017.

Brito disse que as novas metas para 2025 incluiriam fornecedores e atacadistas - além das metas ambientais anteriores da empresa, que se concentravam nas principais operações da empresa.

A empresa pretende reduzir o uso de água, inclusive “restaurando bacias hidrográficas em áreas que mais precisam e melhorando a disponibilidade de água e a qualidade para as nossas comunidades”, afirmou. Funcionaria para garantir que todos os agricultores tivessem as habilidades necessárias até 2025.

A AB InBev foi uma das 74 empresas em uma “Lista” de relatórios de água em 2017 elaborada pela instituição independente CDP (Carbon Disclosure Project) sediada em Londres, que monitora o desempenho ambiental de milhares de empresas.

Recebeu um “B” para informar sobre as alterações climáticas em 2017, após um “A menos” em 2016.

A empresa buscará novas idéias de cientistas e empreendedores para tudo, desde a reciclagem de plásticos até o melhor gerenciamento do solo em um projeto chamado de "100+ Sustainability Accelerator".

Brito duvidou que a mudança climática significaria um mundo cada vez mais quente que aumentaria as vendas de cerveja, tornando as pessoas mais sedentas.

"Alguns lugares provavelmente ficarão mais quentes, alguns ficarão mais frios", disse ele, acrescentando que cada vez mais pessoas bebem cerveja em casa, onde as temperaturas são mais estáveis do que no ambiente externo.

Fonte: E-malt - 22 de março de 2018
Traduzido e adaptado por Matthias R. Reinold

guia fornecedores