Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

varejo 07 03 cervesia

O volume de vendas do comércio paulista subiu 2,5% em 2017 em comparação com o ano anterior. O número é do varejo ampliado, que inclui concessionárias de veículos e lojas de material de construção. Já no restrito, que não computa esses dois ramos, o crescimento foi de 1,8% no Estado. Os dados são da pesquisa ACVarejo da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). “Sem dúvida alguma, os resultados de 2017 marcam o fim da crise do varejo no estado e a retomada deverá ser cada vez mais intensa nos próximos meses, em linha com a continuidade dos crescimentos da renda, do emprego e do crédito”, declara Alencar Burti, presidente da ACSP. “Ou seja, neste ano teremos um crescimento muito mais expressivo”, afirma ele, que também é presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Atividades

Quase todas as atividades econômicas analisadas pela pesquisa apresentaram crescimento do volume comercializado em 2017 sobre 2016, com destaque para lojas de departamento, eletrodomésticos e eletrônicos (14%), lojas de móveis e decorações (10,3%), concessionárias de veículos (8,3%), autopeças e acessórios (7,2%), supermercados (3,8%), farmácias e perfumarias (0,7%) e lojas de material de construção (0,7%).

Por outro lado, os segmentos outros tipos de comércio varejista e lojas de vestuário, tecidos e calçados registraram contrações de 5% e 1,3%, respectivamente no ano passado. O primeiro foi fortemente impactado pelas retrações de vendas de combustíveis, que sofreram reajustes de preços.

Regiões

Em 2017, o comércio cresceu em quase a totalidade das regiões paulistas. As maiores taxas de expansão foram observadas nas seguintes regiões: Jundiaí (7,1%); Ribeirão Preto, Baixa Mogiana e Franca (6,1%), Sorocaba e Vale do Paranapanema (6%) e Vale do Paraíba (5,9%). As únicas regiões que caíram foram Presidente Prudente (-0,5%) e Metropolitana Oeste/Osasco (-1%).

Fonte: Portal Newtrade - 06/03/2018

guia fornecedores