Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

O apresentador e empresário Carlos Roberto Massa, o Ratinho, confirmou que vai construir uma fábrica de cerveja e de chope em Ribeirão Preto.

Ratinho não quis adiantar valores, mas o negócio movimentará R$ 50 milhões e o apresentador será o acionista majoritário, com 75% de participação. Os 25% restantes serão de um grupo local de empresários. "Eu não quero adiantar muita coisa sobre o assunto, porque estarei aqui de novo no próximo mês para divulgar esse negócio", afirmou. Até lá, o apresentador e o grupo de investidores esperam que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anuncie o aporte de recursos para a fábrica, pois foi pedido financiamento de 80% do valor previsto. A unidade deverá ser construída no Distrito Empresarial, cujas obras de infra-estrutura foram retomadas depois de dez anos, e o prefeito Gilberto Maggioni (PT), candidato à reeleição, pediu que o anúncio oficial fosse feito perto das eleições. A marca produzida na unidade terá o nome da própria cidade. "Vão se chamar cerveja e chope Ribeirão, já que aqui é uma referência no Brasil e é uma cidade que está em franco crescimento", disse Ratinho, que já é parceiro da Cervejaria Colônia, no Sul do Brasil.

"Depois que eu me associei à marca, a produção da Colônia saltou de 170 mil caixas para 1 milhão", afirmou. Apesar de ser rotulada muitas vezes de a capital brasileira do chope, por causa da fama conquistada pela rede de choperias Pingüim e pelas fábricas na primeira metade do século passado, a única unidade fabril da bebida em Ribeirão é a pequena Colorado, que tem distribuição local. No ano passado, a Molson voltou a produzir chope na cidade, por meio da Kaiser, mas a experiência durou pouco. Em junho, a cervejaria canadense anunciou o fechamento da unidade por considerá-la deficitária. Ratinho tentou comprar a fábrica, mas a Molson não quis vendê-la. "Eu poderia me acomodar com o baita salário que recebo no SBT, mas quero participar e ajudar quem não teve a oportunidade que eu tive", disse Ratinho.

"Quando ninguém confiava no Lula, eu confiei. Economicamente, ele está consertando o Brasil".

Fonte: O Estado de São Paulo - Economia

guia fornecedores