Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

A mexicana Femsa, a maior engarrafadora Coca-Cola do mundo, divulgou em 24 de julho que está prestes a perder um contrato chave de distribuição no Brasil, levando suas ações queda de 5%, ao mesmo tempo que apresentou um salto de 11,5% no lucro líquido trimestral, informou a Reuters . 

Coca-Cola Femsa disse que a cervejaria holandesa Heineken, que detém uma participação na sua controladora Femsa, havia dito à empresa que terminaria sua distribuição de produtos com engarrafadores do sistema Coca-Cola no Brasil a partir de outubro 31. 

As ações da Coca-Cola Femsa caíram 5,25% para 151.71 pesos a partir das 13:00, hora local, e eram o maior entrave ao índice de ações de benchmark do México. 

Não ficou claro exatamente quando o contrato de distribuição com a Heineken vai acabar, disse Hector Trevino, diretor financeiro da Coca-Cola Femsa. 

A Heineken mantém o contrato que pode ser rescindido com aviso prévio com antecedência de seis meses, mas a Coca-Cola Femsa discorda, disse Trevino. 

"Acreditamos firmemente que o contrato termina em 2022", disse ele. 

Heineken adquiriu as cervejarias brasileiras de japonesa Kirin Holdings Co Ltd, no início deste ano. A empresa holandesa vai usar as rotas de distribuição da Kirin Brasil para trazer produtos Heineken para o mercado na região, disse o porta-voz da Heineken John-Paul Schuirink em um comunicado. 
"Como a Heineken, a Femsa e os engarrafadores da Coca-Cola no Brasil ainda estão em discussões, não estamos comentando em mais detalhes", disse Schuirink. 

A perda do contrato representa um duro golpe para a Coca-Cola Femsa, disse Antonio Montañez, analista da Vector Casa de Bolsa, que estima que a distribuição de cerveja representa cerca de 5% da receita da empresa no Brasil. 

No entanto, a Coca-Cola Femsa expressou confiança em suas perspectivas no Brasil assim que a inflação ceder. O volume de vendas no Brasil aumentou em junho, após mais de um ano de declínios mensais, disse Trevino. 

"Nós atingimos o fundo, e de agora em diante, vamos ver melhor desempenho no Brasil", disse ele. 

Flutuações cambiais negativas na Venezuela e as taxas de juro mais elevadas no México tiveram influência sobre os resultados da Coca-Cola Femsa, o Credit Suisse divulgou em nota aos investidores. 

Dizendo que espera que as ações reajam negativamente, o Credit Suisse descreveu o desempenho no México e América do Sul como fraco e também viu o anúncio Heineken como negativo. 

A empresa informou que o lucro líquido foi de 2.232 bilhões de pesos (US$ 123 milhões), em comparação com 2.001 bilhões de pesos no mesmo trimestre do ano passado. A receita para o trimestre, na Coca-Cola Femsa, subiu 25,5%, para 50,1 bilhões de pesos. 

Ela ganhou 1,07 pesos por ação, disse a empresa. 

Fonte: E-malt - 25 de julho de 2017

guia fornecedores