Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

A Schincariol e sua agência de publicidade Fischer América entraram em 15 de março com representação no Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (CONAR) para suspender o comercial da cerveja Brahma, estrelado pelo sambista Zeca Pagodinho. O pedido de suspensão é contra a AmBev, fabricante da cerveja, e a agência África, do publicitário Nizan Guanaes. O sambista não é o alvo direto da representação, mas ainda corre o risco de ser processado pela Schincariol por quebra de contrato, que de acordo com a companhia, se estende até setembro deste ano. Na ação proposta no CONAR, a Schincariol e a Fischer, do publicitário Eduardo Fischer, argumentam que o comercial da Brahma faz uma alusão à cerveja Nova Schin, o que, segundo os advogados, esse tipo de comparação só é autorizado pelas normas do conselho de auto-regulamentação quando se tem o objetivo de esclarecer o consumidor. Outra alegação dos advogados é que o comercial não tem a intenção de vender cerveja, mas "apenas denegrir a marca e o produto da Schincariol". A disputa entre as duas cervejarias voltou a acirrar quando Zeca Pagodinho apareceu em um comercial, no intervalo do "Jornal Nacional", anunciando sua "volta" à cerveja Brahma. A Schincariol respondeu com um anúncio de página inteira nos jornais chamando a Brahma de cerveja "belga" em alusão ao recente acordo de troca de ações entre a AmBev e a Interbrew, da Bélgica.

O publicitário Nizan Guanaes diz que espera aguardar a notificação formal do CONAR, mas afirmou que teme que a polêmica "descambe" para o lado pessoal. "Não vamos aceitar qualquer tentativa de quem queira ofender Zeca Pagodinho", disse o publicitário. "A disputa é com a AmBev e a África", afirmou, acrescentando que o publicitário Eduardo Fischer usou a tartaruga da Brahma em teaser para o pré-lançamento da Nova Schin. Segundo Guanaes, as vendas da Brahma cresceram 104% no Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Belo Horizonte. Nizan Guanaes e Eduardo Fischer já tiveram em campos opostos no passado, antes do advento da AmBev. O primeiro como responsável pelos comerciais da Antarctica enquanto o segundo esteve cuidando da publicidade da Brahma. Agora, voltam a se enfrentar.

Fonte: Valor Econômico – Empresas

guia fornecedores