Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

A nova fábrica da empresária angolana Isabel dos Santos, em Luanda, vai produzir, a partir de 2017, a cerveja portuguesa Sagres e uma nova marca angolana de cerveja.

A Sociedade de Distribuição de Bebidas de Angola (SODIBA) é a mais recente empresa de produção e distribuição de bebidas em Angola e foi apresentada, em conferência de imprensa, num projeto cujo investimento, maioritariamente angolano, ascende a 150 milhões de dólares (cerca 141 milhões de euros).

Localizado no Polo Industrial do Bom Jesus, a 60 quilómetros de Luanda, este complexo industrial conta com uma área total de 40 hectares e uma capacidade de produção instalada de 144 milhões de litros/ano de cerveja, extensível até 200 milhões de litros, sendo que a partir de janeiro de 2017 arranca com a produção e distribuição da Sagres.

A fábrica está praticamente concluída e conta, numa primeira fase, com 210 colaboradores, decorrendo atualmente testes de operação. 
Envolve duas linhas de enchimento, uma com capacidade para 50 mil garrafas/hora e outra linha para o enchimento de latas com a mesma capacidade.

Este é um investimento promovido por Isabel dos Santos, empresária e filha do chefe de Estado angolano (José Eduardo dos Santos), juntamente com Sindika Dokolo, o seu marido.

«É uma empresa angolana que reúne experiências multidisciplinares e internacionais, cujo projeto é baseado na formação de quadros», explicou José Carlos Beato, diretor executivo da SODIBA, adiantando que durante o primeiro semestre de 2017 a fábrica deverá colocar no mercado uma nova cerveja «100% angolana».

«A Luandina será nossa primeira produção nacional. Vamos começar com a internacional Sagres e, de seguida, com uma cerveja com DNA 100% angolano. Estou em crer que a mesma estará ao nível dos exigentes consumidores angolanos», finalizou Beato.

Fonte: A Bola – 13/12/2016

guia fornecedores