Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

País tradicionalmente consumidor de cerveja e uma das referências quando o assunto é a bebida amarela, a Alemanha parece se sentir em casa no Brasil com as marcas nacionais. O padrão de exigência alemão não tem gerado críticas às marcas nacionais, muito em função do calor.

Neste sábado, antes do duelo contra Gana, em Fortaleza, os vários alemães que sofriam com o sol de cerca de 32ºC nos arredores do estádio se esbaldavam com as cervejas nacionais nos bares e vendedores não credenciados pela Fifa. Skol, Brahma, Nova Schin e Itaipava enchiam os copos dos alemães. E das dezenas questionados, nenhum reclamou.

"É muito boa a cerveja brasileira, você bebe e não fica bêbado. É bem diferente da Alemanha, onde nós tomamos um ou dois copos e já ficamos um pouco mais alegres", falou o alemão Markus Theis. "Cerveja no Brasil tem sido o nosso menor problema. Temos gostado bastante de todas elas", endossou seu companheiro Till Moog.

"Não dá para comparar em termos de sabor com a cerveja alemã porque vivemos em temperaturas frias e nossas cervejas são mais fortes. Mas, para vocês brasileiros e quem está nesse calor, elas têm um teor alcóolico ideal para um país como o Brasil. Na Alemanha são mais encorpadas, é diferente da cultura brasileira de beber cerveja", continuou Moog.

A alemã Claudia Jörg enchia o copo rapidamente com uma garrafa de 600 ml de Nova Schin ao lado do marido. Ela apontou ainda outras qualidades da cerveja. "É muito barato beber aqui no Brasil. Essas garrafas custam muito barato (o bar vendia por R$ 4,50). E o sabor é bem refrescante, adaptado para essa temperatura", falou.

Nos vários bares e barraquinhas que não são padrão Fifa só se viam pilhas e garrafas de cerveja para matar o calor dos torcedores alemães.

Bernd Beev trazia consigo um saco de latas amarelas da Skol comprada de um vendedor de isopor. Eram seis latas para três pessoas. Questionado se as outras duas não esquentariam, respondeu: "Aqui o calor é muito grande e bebemos rápido demais, não dá nem tempo de sentir ela ficar quente", falou.

Fonte: Tribuna Hoje – 21/06/2014

guia fornecedores