Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

A Brasil Kirin, empresa do grupo japonês Kirin Holdings e dona de marcas como Schin, Eisenbahn, Baden Baden, Kirin Ichiban e Devassa, realiza um projeto-piloto para distribuir suas cervejas em comunidades de baixa renda. A companhia informou que procura ajudar empreendedores nessas comunidades para se tornarem micros distribuidores da marca.

A iniciativa faz parte das ações da companhia para diversificar os canais de vendas e recuperar participação de mercado perdida nos últimos anos para rivais como Ambev, Heineken e Grupo Petrópolis.

A companhia também fechou parceria no comércio eletrônico para entrega de cervejas especiais (Eisenbahn, Baden Baden, Kirin Ichiban e Devassa) em todo o País. As vendas são feitas pelo site WBeer, que oferece 26 rótulos da Brasil Kirin. De acordo com a companhia, o mercado de autosserviço tem apresentado melhor desempenho em comparação com bares e restaurantes, fator que motivou a empresa a buscar alternativas para ampliar as vendas de cervejas.

A Brasil Kirin informou que ampliou a distribuição e a presença das marcas nas lojas de autosserviço e diversificou as embalagens da Eisenbahn, com versões em latas de 350 mililitros e garrafas de 600 ml.

Em 2015, a Brasil Kirin já havia feito uma restruturação na marca de refrigerantes Schin, que passou a se chamar Viva Schin e ganhou novo visual e posicionamento. As mudanças permitiram elevar as vendas de refrigerantes em um dígito no primeiro semestre deste ano. A expectativa é conseguir reverter a queda nas vendas de cervejas com as mudanças recentes.

No primeiro semestre, a Brasil Kirin reportou um prejuízo operacional de 7 bilhões de ienes (R$ 225,2 milhões), ante um prejuízo de 600 milhões de ienes (R$ 109,3 milhões) no mesmo intervalo de 2015. A receita de vendas teve queda de 21% no período, chegando a 50,7 bilhões de ienes (R$ 1,63 bilhão).

A companhia informou que registrou crescimento no volume de vendas no Brasil, mas devido à apreciação do iene em relação ao real, o resultado em receita apresentou queda.

Para o ano, a companhia projeta uma queda de 21,3% na receita de vendas da Brasil Kirin, chegando a 112,9 bilhões de ienes. Em relação ao desempenho operacional, a previsão é de prejuízo de 8,9 bilhões de ienes, ante uma perda de 11,7 bilhões de ienes no ano passado.

Atualmente, a Brasil Kirin possui 20 centros de distribuição e trabalha com 160 revendas em todo o país. A companhia - que, em abril, vendeu uma fábrica de refrigerantes e cerveja instalada no Rio para a concorrente Ambev - afirma que não está negociando outros ativos no País.

Fonte: Supermercado Moderno – 13/09/2016

guia fornecedores