Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

Produzido em uma pequena cervejaria familiar, o primeiro refrigerante orgânico tornou-se cult na Alemanha. O aumento de vendas é enorme e agora a empresa quer se expandir internacionalmente.

No restaurante do trem-bala, no refeitório da universidade ou no boteco da esquina. Quase sempre você encontra a Bionade. Um refrigerante orgânico, que nos últimos anos se tornou uma das bebidas mais cults da Alemanha. No sortimento, há quatro sabores incomuns e o processo de fabricação é especial.

Como a produção da cerveja

Segundo seu fabricante, a Bionade é o primeiro e único refrigerante do mundo produzido puramente de forma biológica. O nome é composto do prefixo bio, com o qual os alemães denominam seus produtos orgânicos, e do final da palavra limonade, que quer dizer refrigerante.

Ao contrário dos refrigerantes, aos quais se acrescenta gás carbônico, a Bionade é fermentada. Como na produção da cerveja, este refrigerante é fermentado com matérias-primas naturais.

Enquanto o açúcar se altera em álcool durante a fabricação de cerveja, na produção da Bionade ele se transforma em ácido glucônico. A Bionade é fabricada por uma empresa familiar jovem, que foi fundada em 1995 com a criação do refrigerante, que se encontra à venda nos sabores: sabugueiro, ervas, lichia e gengibre-laranja.

Uma bebida para crianças e jovens

Já nos anos 80, o criador da Bionade, Dieter Leipold, teve a idéia de desenvolver um refrigerante para crianças e jovens como alternativa à Coca-Cola e outras bebidas semelhantes.

O cervejeiro experimentou oito anos para poder produzir uma bebida a partir de microorganismos. Em 1996, a Bionade foi criada e engarrafada na própria cervejaria. Com a invenção da Bionade, Leipold não só criou uma bebida cult como também salvou a sua empresa da falência.

Hoje o grupo de consumidores da Bionade não é mais limitado. "Não fixamos mais o grupo de consumidores porque achamos que a Bionade é interessante para todo mundo. O grupo-alvo vai das crianças aos idosos, passando pelos adultos", explica Wolfgang Blum, um dos sócios da Bionade International à DW-World. DE.

Um aumento de vendas enorme

Depois de alguns problemas iniciais na comercialização do refrigerante, a Bionade viveu um verdadeiro milagre econômico. Nos últimos anos, a empresa teve um grande aumento de vendas: de dois milhões de garrafas em 2003, a quantia aumentou dez vezes até o ano de 2005. Depois de uma venda de 70 milhões de garrafas de Bionade em 2006, Wolfgang Blum observa: "Nos últimos três anos a venda subiu mais de 300%. Neste ano queremos continuar assim”.

Só em julho último, a empresa engarrafou aproximadamente 20 milhões de garrafas na cervejaria da família.

Conquista do mercado internacional

A partir deste ano, a empresa também começou a vender o refrigerante alemão em outros países europeus. Assim se pode matar a sede com a Bionade, por exemplo, na Itália, na França e na Irlanda, bem como na Bélgica, na Holanda, em Luxemburgo e nos países escandinavos.

"A Bionade está se preparando concretamente para vender o refrigerante a partir do ano de 2008 também fora da Europa", diz Wolfgang Blum. Diante da queda do consumo da cerveja na Alemanha, as grandes cervejarias também estão buscando alternativas. Com isso a empresa de médio porte vai ter que contar com a concorrência de imitações. A maior cervejaria do mundo, a Inbev, já está planejando entrar no comércio de refrigerantes na Alemanha. No Brasil, a empresa vende bebidas à base de guaraná e, portanto já tem experiência com a venda de bebidas não alcoólicas. Além disso, os grandes produtores de bebidas como a Coca-Cola são vistos como possíveis concorrentes para a empresa alemã.

A Bionade já está se preparando para enfrentar a concorrência e colocou à venda no ano de 2006 o primeiro refrigerante orgânico para esportistas – a Bionade Forte.

 

Fonte: Deutsche Welle, por Juliana Brück - Agosto/2007

guia fornecedores