Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

Era uma vez um alemão. Um alemão que decidiu morar no Brasil porque se apaixonou pela brasileira mais alemã de Brasília. Ele veio, casou e ficou. Ele se adaptou ao nosso cerrado, adorou os restaurantes que serviam frango assado e estava feliz da vida com a esposa candanga.

Só havia um problema: a cerveja. Aprender português foi peixe pequeno perto da tortura de encarar uma Skol. O desespero foi tanto que Andreas Nagl decidiu fazer a própria cerveja. E já que precisaria importar os ingredientes, ele e a esposa (foto abaixo), Heide Seidler, inauguraram uma loja de insumos.

A Candango Bräu foi a primeira “brew shop” de Brasília e abriu caminho para outras três empresas que hoje suprem a demanda dos cervejeiros caseiros. Entre as novidades, está a franquia mineira Casa O.L.E.C, inaugurada no comecinho deste ano com uma proposta diferente.

Giovanna Bembom/Metrópoles

Candango Bräu
Quando a Candango Bräu abriu as portas em 2010, a demanda por maltes, lúpulos e leveduras era tão pequena que o funcionamento da loja limitava-se a dois dias por semana. Naquela época, a variedade de malte não passava de uma dezena e mesmo assim, os cervejeiros estavam no céu.

Para quem não tinha nada, o pouco já era muito. Como dava para contar nos dedos o número de clientes, a relação da Candango Bräu com os produtores sempre foi de amizade. Quando alguém precisava de alguma coisa e a loja estava fechada, era só ligar para o celular do Andreas que ele ia correndo. Nós, do Ohmybeer, cansamos de fazer isso e sair felizes da vida para a brassagem do fim de semana.

Aulas práticas
Além de vender os insumos, Andreas começou a ensinar a arte de produzir cerveja. “O curso nunca foi de assistir e sim de fazer. O aluno escolhe um estilo e faz a sua cerveja, cada um com a sua panela. No fim, as garrafas são compartilhadas”, explica.

Fato é que esses cursos ajudaram a formar uma legião de cervejeiros caseiros. Cerca de 1.200 pessoas já passaram pelas panelas da Candango Bräu. Cervejarias como a Corina, por exemplo, deram seus primeiros passos com a ajuda do alemão.

Fazer cerveja não é difícil, só é trabalhoso. Quem faz o curso e não vira cervejeiro acaba valorizando e entendendo a cerveja artesanal " Heide Seidler

Variedade no estoque
Essa turma de novos produtores fez a demanda por insumos crescer e o mercado precisou se adaptar. Hoje, a Candango Bräu trabalha com aproximadamente 30 tipos de malte, 55 variedades de lúpulo e 30 cepas de fermento.

O bacana é que alguns ingredientes podem ser fracionados de acordo com a receita da cerveja, a pedido do cervejeiro. Além dos elementos básicos, todos os equipamentos para a produção em casa estão à venda na loja.

Panelas, termômetro, abraçadeiras, medidores, arrolhadores, tampinhas e moedores fazem parte da longa lista. Sem dúvida nenhuma, MacGyver seria capaz de produzir uma bomba nuclear com essa quantidade de peças.

Giovanna Bembom/Metrópoles
Ciro Lemos e Kirk Douglas, da Casa O.L.E.C.

Giovanna Bembom/Metrópoles
Balcão simpático na entrada e freezer cheio de cervejas artesanais

Giovbanna Bembom/Metrópoles
Peças dispostas em prateleiras de um jeito fácil e organizado

Casa O.L.E.C
Oficina Laboratório de Experimentação Cervejeira. Esse é o significado da sigla que chegou a Brasília com proposta diferente e que tem dado uma mexida no mercado. A Casa O.L.E.C é, na verdade, uma empresa de Belo Horizonte criada em 2013 e com franquias em Juiz de Fora, Petrópolis e, agora, na capital federal.

Aqui, a brew shop é comandada por Ciro Lemos, Cláudia Lemos e Kirk Douglas. Desde a fachada até a disposição dos produtos, tudo faz o cervejeiro querer entrar na loja e se deliciar. As peças estão dispostas em prateleiras de um jeito fácil e organizado.  Equipamentos como panelas, balanças, dosadores, moedores e fermentadores também ficam expostos e até ajudam a enfeitar o lugar.

Nos fundos, o tesouro é guardado com carinho. As estantes acomodam 31 tipos de malte em embalagens que vão de 250 g a 25 kg. Já os freezers guardam 90 variedades de lúpulo e 26 de leveduras. Ou seja: tem material mais que suficiente para o mais criativo dos cervejeiros.

Ponto de encontro
Ora, se a casa vende insumos para a produção de cerveja e recebe clientes apaixonados pela bebida, por que não fazer do espaço um ponto de encontro? O balcão simpático perto da entrada e o freezer cheio de cervejas artesanais ganharam uma placa com as três letras que tanto amamos: bar!

O pessoal vem no fim do dia e já toma uma cervejinha. Tem muita gente dessa região do Setor de Indústrias Gráficas que entra curioso sem saber do que se trata. Ainda existem pessoas que não sabem da possibilidade e facilidade de se fazer cerveja em casa" Kirk Douglas

A casa também oferece cursos para a produção caseira e ainda organiza encontros de produtores. Uma vez por mês, os paneleiros se reúnem na O.L.E.C para trocar informações, compartilhar receitas, mostrar suas criações e dar muita risada.

Ah, é bom deixar claro: Qualquer pessoa pode fazer cerveja em qualquer lugar. No quintal, varanda, cozinha de casa, apartamento, basta ter os equipamentos adaptados ao tamanho da produção.

Vai encarar?

Confira o roteiro de lojas de insumos cervejeiros no DF.

Candango Bräu
CA 2, Lote 14, Lago Norte. Segunda a quarta, das 12h30 às 18h; quinta e sexta, das 12h30 às 20h; sábado, das 9h às 14h.

Casa O.L.E.C.
SIG, Quadra 2, Bloco B, Lote 25, Loja 23, 3542-8652. Segunda a sexta, das 10h30 às 19h; sábado das 9h às 15h.

Point do Cervejeiro
CLSW 104, Bloco B, Loja 64, subsolo, Sudoeste. Segunda a sexta, das 12h30 às 19h; sábado das 8h às 17h. Tem delivery.

Fábrika de Cervejas
Rua das Paineiras, Lote 6, Loja 27, Shopping One, Águas Claras. Segunda, das 14h às 18h; terça a sexta, das 14h às 22h; sábado das 9h às 18h.

 

Fonte: Metrópoles – 23/02/2017

guia fornecedores