Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

A técnica de beneficiamento de lúpulo foi prototipada na fábrica de Itupeva, no processo de fabricação de dois novos rótulos da cervejaria

Materia principal StartUp Brewing lanca projeto Trub Session Foto 1 768x576

Batizado de Trub Session, o novo projeto da StartUp Brewing Co. baseia-se em produzir rótulos que se beneficiam em eficiência e sustentabilidade provenientes do reaproveitamento de lúpulo no processo de fabricação artesanal. Com qualidade garantida, a técnica já foi aplicada na produção de dois novos rótulos da cervejaria: Trub Session NEIPA #1, da UX Brew, e na Session IPA, da Unicorn.

A essência do projeto Trub Session é fazer bom uso dos recursos naturais e, de quebra, ter ainda mais economia com insumos, resultando em produtos com a mesma qualidade, porém com preços mais acessíveis ao consumidor.

“O uso massivo de lúpulo em cervejas muito lupuladas é o insumo mais caro da maioria das receitas de cervejas artesanais, e o que tem o maior impacto no preço final quando sai de uma fábrica – sem contar impostos, é claro”, explica André Franken, diretor da StartUp Brewing Co.Materia principal StartUp Brewing lanca projeto Trub Session Foto 1 768x576

Para melhor entender, a técnica consiste em retirar os lúpulos que foram usados no processo de dry hopping de uma cerveja muito lupulada, onde a quantidade/volume é muito alta, como insumo para uma nova produção. A massa vegetal, ainda concentra alta carga de aroma, funciona como uma bioreciclagem, reutilizando o insumo em uma segunda receita de cerveja que precisa de menor carga de lúpulo. Desta forma, cada vez um mesmo rótulo da série Trub ganhará um perfil sensorial diferente, por conta das cervejas doadoras desses lúpulos.

Missão sustentável

Em paralelo ao projeto Trub Session, a StartUp Brewing continuará com outros projetos sustentáveis já existentes, como a secagem posterior adaptada dessas massas vegetais oriundas do lúpulo, que são enviadas para uma empresa especializada e certificada nos órgãos ambientais para reaproveitamento desses resíduos em adubo.

O bagaço de malte, de toda produção da fábrica, também tem destino certo. É armazenado em bombonas, fechadas e enviado a criadores de ovinos que os utilizam como ração.

E por fim, há separação de todo o lixo reciclável da fábrica, que depois de separado é enviado a uma cooperativa credenciada.

 

Fonte: Engarrafador Moderno – 26/08/2020

guia fornecedores