Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

…mas nunca vai dizer.

Para começar, faça-se uma pergunta: “O que os funcionários do restaurante pensam – e falam entre eles – sobre você?”

Tudo bem… você criou uma política de portas abertas, que imagina funcionar a contento. Mas então, porque ninguém se abre com você? E os grupinhos de funcionários pelos cantos, que se calam quando chega perto? E aquele espírito de equipe que imaginou ter criado, para onde foi?

Na verdade, você acha que seu restaurante é um lugar feliz para se trabalhar.

O que, visivelmente, não é verdade, pois o giro de funcionários é cada vez maior. E, o que acontece, é simples: a equipe não está conseguindo se comunicar com você, e o descontentamento está no ar.

Os motivos podem ser inúmeros. Veja alguns deles:

Os salários que você paga são baixos – Tem certeza de que esta afirmação não é verdadeira? Quando contratou cada um dos colaboradores, você negociou um salário com base em suas habilidades, as necessidades da casa e a situação do mercado. Se foi justo na época, então isso não é verdadeiro agora? Talvez sim, talvez não. Como consertar? Preste atenção ao mercado. Se eles puderem ganhar mais em outro lugar, pela mesma função, você está pagando mal. É mais barato pagar bem para bons profissionais, do que economizar em salários e ter uma equipe ruim. O cliente não perdoa.

Você nunca ouve suas (deles) ideias - E é o “dono da verdade”. Foi sua a ideia de iniciar a empresa, de contratar, assim como são suas a ideias que fazem o dia a dia do restaurante. Tudo isso é verdade. Mas, se você fez as contratações é porque também precisava de uma equipe para ajudá-lo. Você a está ouvindo? E ouvindo, eu quero dizer, considerando as sugestões com atenção e sinceridade. Provavelmente, entre elas haverá ótimas ideias.

Você precisa demitir alguém, mas não o faz - Os funcionários odeiam quando os gestores ignoram o comportamento inconveniente, ou incompetência, de algum colega de trabalho. Esta situação provoca uma tremenda pressão sobre a gerência, diminui a produtividade e contribui para um ambiente de trabalho pesado e desagradável. Demita os incompetentes. Não pense duas vezes.

Você é um gerente micro – Você conhece todos os aspectos, de tudo que se passa na empresa, e se considera um líder incrível, certo? Errado. Deixe seus colaboradores mais livres para exercerem suas funções – desde que dentro dos parâmetros do restaurante. Você deve ser a grande liderança, não o executor de cada detalhe. Contrate as pessoas certas e deixe-as fazer o seu trabalho. Isso pode exigir que você fique assistindo sentado – e se remoendo – por algumas semanas, até que pegue o jeito.

Você participa muito pouco – E pode ser o oposto do gerente micro, mas isso também não significa que seja perfeito. Se não tem ideia do que está acontecendo no restaurante, é impossível dar orientação e sugestões, e você também não consegue ter um “retrato” do negócio em si. E isso acontece, porque não sabe onde se encaixam as peças do quebra-cabeças. Você é desligado. Faça reuniões semanais com a equipe e cada um dos seus supervisores/gerentes. Não é necessário se preocupar muito sobre como as coisas são feitas, mas você precisa saber o que está sendo feito.

Seus parentes são um terror na empresa – Seu marido/esposa, que apenas entrou para dizer “Olá!” e permanece por três horas, critica o trabalho de todos e, geralmente, causa estragos entre os funcionários, não está sendo útil. Seu filho, que você acabou de promover a gerente, não tem competência para exercer a nova função. Quem sabe, no futuro, ele possa ser útil para a empresa, mas uma promoção por afetividade, ou parentesco, normalmente representa um passo para trás. Avalie os membros de sua família da mesma forma que você faria com qualquer outro funcionário. Se eles não estão sendo úteis, dê um pontapé (amoroso) e ponha-os para correr. E, se é um parente que não trabalha com você, mas simplesmente visita, pergunte-se se você iria permitir que um dos cônjuges do seu empregado agissem da mesma forma. Se a resposta for não, é hora de seu marido/esposa ficar da porta para fora.

Conversando com seus funcionários, mantendo um padrão de conduta para você mesmo, e estando ciente do que está acontecendo, realmente pode fazer do seu restaurante um lugar onde as pessoas queiram trabalhar.

Boa sorte e bons negócios!

Fonte: Blog do Banas – 04/02/2017

guia fornecedores