Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

obama brasil

Foto: Divulgação/Vtex

O que une Brasil e Estados Unidos? Para Barack Obama, 44º presidente norte-americano, é a grande diversidade dentro das fronteiras de ambos os países. “A maior força dos dois países é a diversidade. É incrível a criatividade e inovação que conseguimos ao juntar pessoas de diferentes experiências e vivências”, afirma. O ex-presidente americano falou por cerca de uma hora. Dentre os assuntos, educação, o futuro do trabalho e, claro, diversidade. “Quanto mais pessoas você conseguir incluir, maior o seu pool de talentos. Se negros e mulheres não forem incluídos, você não está aproveitando todo o talento disponível.” Cordial, Obama falou “boa tarde” em português, afirmou que o Brasil é um dos lugares para os quais mais gosta de viajar, e que ouvia Tom Jobim quando namorava Michelle, sua esposa.

Obama ressaltou a importância de equipes diversas. “Sempre precisamos ter mulheres na mesa de decisão. Se sua organização só tem homens que se parecem entre si, está provavelmente perdendo informações”, afirma. “Todo mundo tem seus pontos cegos. Ouvir pessoas diferentes de você te ajuda a tomar melhores decisões, ajuda a ver o mundo com olhos de outras pessoas.”

Apesar dos desafios de seus oito anos na Presidência dos EUA, Obama diz nunca ter se sentido intelectualmente sobrecarregado pelo cargo. “Eu acredito muito que criei uma boa equipe e confiava nela. Você é tão bom quanto a equipe que consegue construir”, diz. “Um bom líder não é quem tem as repostas, eu acho que minha força era ter as perguntas certas. Quando se é presidente, você não pode ser especialista em todos os temas de que tem de tratar, mas precisa fazer as perguntas certas e construir essa equipe.”

Outro aprendizado que a Presidência trouxe, diz Obama, foi a de estar confortável com tomar decisões “com base nas probabilidades”. “Só as questões mais difíceis e que ninguém soube responder chegam ao presidente. Em muitas das minhas decisões, como o ataque ao local onde estava [o terrorista] Osama Bin Laden, ou a tentativa de salvar os bancos da crise [de 2008], eu não podia garantir que dariam certo. Mas eu confiava na minha equipe e no processo que construímos para chegar àquela decisão.”

Citando as similaridades entre os dois países, Obama afirmou que Brasil e Estados Unidos são as duas maiores democracias do continente. Ambas, porém, foram fundadas com base na desigualdade. “A Constituição dos EUA fala que todos são iguais, mas isso não incluía negros, mulheres ou pessoas que não possuíam propriedades. O processo democrático nos permitiu incluir mais pessoas, e quanto mais pessoas incluímos, maior o sucesso que obtivemos”, afirma.

O ex-presidente dos Estados Unidos participou da convenção de varejo Vtex Day, em São Paulo.

Educação

Durante sua fala, Barack Obama ressaltou a importância da educação e inclusão para que qualquer país tenha sucesso na economia. O ex-presidente afirmou que é preciso criar um sistema educacional que prepare crianças e jovens para o pensamento crítico. “As pessoas querem que os fatos se encaixem nas opiniões que elas já têm”, diz. “Acho que o mais valioso da educação é aprender a habilidade de analisar a realidade, mesmo quando isso é desconfortável e prova que aquilo que eu achava ser verdade está errado.” A escola, diz o ex-presidente dos Estados Unidos, precisa preparar os estudantes não só para absorver informações, mas para analisar criticamente a informação que recebem.

Com a evolução da inteligência artificial, investir em novos modelos de educação se torna ainda mais importante. “As máquinas vão fazer os trabalhos manuais com muito mais eficiência do que os humanos, mas só as pessoas podem ser criativas. Os países que ensinarem suas crianças a serem criativas e a pensar criticamente serão os mais bem sucedidos economicamente”, diz. “Sem investir nas pessoas, é improvável para um país ter sucesso no longo prazo.”

Fazer isso, diz Obama, envolve tomar decisões e passa por investir em educação. “Na Finlândia, os professores ganham tanto quanto médicos, e é muito difícil se tornar professor. Como resultado, é um dos países com a melhor educação do mundo”, afirma. “Se os professores ganham 1/100 do que os banqueiros, isso mostra que você não valoriza educação”.

Desigualdade

Após sair da presidência, Obama tem focado seu trabalho em preparar novos líderes em todo o mundo. “Avaliei que meu maior impacto seria o de inspirar outras pessoas a se envolverem, acho que meu maior impacto é encorajar as pessoas para que se engajem a fazer a diferença”, diz.

Barack Obama contou que, em sua primeira visita ao Brasil, quando ainda era presidente, jogou futebol com crianças em uma favela no Rio de Janeiro. “Lembro de pensar que aquelas crianças se pareciam comigo quando eu era criança. Eu nasci em país que me permitiu crescer, apesar das dificuldades. Acho que é importante trabalhar para dar oportunidades a todos. Isso melhora sua economia, qualifica sua força de trabalho, suas empresas terão mais sucesso.”

Segundo Obama, não é possível alcançar uma “igualdade perfeita”. “Há pessoas que são naturalmente mais talentosas. Acho que ninguém acha ruim que Bill Gates tenha tido sucesso, ele criou coisas incríveis e permitiu toda a computação que temos acesso hoje”, diz. O importante, segundo ele, é criar oportunidades para todos.

“Temos uma mentalidade que dificulta criar sociedades mais igualitárias, fomos ensinados que o dinheiro é a medida do nosso valor e sucesso, mas precisamos de uma revolução dos valores”, diz. “Eu acredito nos mercados, no capitalismo e na eficiência em criar riqueza, não quero destruir inovação, criatividade e liberdade do sistema de mercado, mas temos que desenhar esse sistema de uma forma que não destrua nossos valores”. Isso, segundo ele, envolve não apenas a desigualdade, mas também questões como sustentabilidade. “Não adianta muito termos ótimos aplicativos e realidade virtual se o mundo real está ficando cada vez mais quentes, o nível dos oceanos continua a subir e não conseguimos respirar.”

Fracasso

“O que me permitiu ser corajoso? Eu falhei antes e sobrevivi. As cicatrizes dos erros são as lições que te dão confiança adiante na vida.” O maior desafio para muitas pessoas, segundo Obama, é o medo do fracasso.

“Quando decidi concorrer à presidência, muita gente me dizia que não era possível ter um presidente afro-americano. E as pessoas tentam te proteger do fracasso. Eu tinha que dizer, até mesmo para a Michelle, que eu ficaria tudo bem se não desse certo.”

Fonte: Época Negócios - 31/05/2019

guia fornecedores