Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

carreira sentimentos

Coração acelerado, falta de foco e dificuldades para dormir. O corpo sente quanto está sob estresse e emite (vários) sinais. Com a sobrecarga de trabalho e excesso de cobrança, contudo, a maioria dos profissionais menospreza esses alertas e abre mão do equilibro interior e da própria saúde. Veja abaixo quatro alertas de exaustão do organismo e formas eficazes de gerenciá-los, de acordo com reportagem da Fast Company.

Sono irregular

Quando nossas glândulas supra-renais estão em modo de superestimulação, graças ao estresse crônico e prolongado, os níveis de cortisol ficam desequilibrados, explica Sophia Kogan, cofundadora e médica-chefe da Nutrafol.

“Frequentemente, o padrão do sono é revertido com o estresse crônico, em que os níveis de cortisol são mais baixos de manhã e depois se elevam à noite. Isso pode nos deixar cansados de manhã, conectados durante o dia e cansados à noite, quando você quer dormir, mas não consegue ”, explica ela.

Para ajudar a retomar o ritmo interno, a médica sugere praticar a higiene do sono, indo para a cama na mesma hora todas as noites e acordando de manhã também como um relógio. Ela recomenda ioga ou meditação para reequilibrar os níveis de estresse e cortisol.

Estômago nervoso

Aquela sensação de queimação no estômago acontece porque, quando o estresse é emocional, as bactérias ruins criam um microbioma prejudical nos órgãos. Sophia afirma que o estresse pode ameaçar a permeabilidade do intestino — causando inflamação. Entre as consequências deste problema estão dificuldade de digestão, inflamação de poros e acne.

Evitar açúcar e cafeína contribui para o equilíbrio do corpo, aconselha Sophia. “O consumo de alimentos integrais e ricos em nutrientes irá inevitavelmente melhorar o microbioma. Bons probióticos e enzimas digestivas podem garantir que o intestino permaneça saudável e que os nutrientes sejam digeridos adequadamente para absorção”, acrescenta ela.

Coração em estado de pânico

Quando a previsibilidade diminui, o estresse aumenta. Essa tensão faz com que tudo, os músculos, cérebro, coração, fígado, vasos sanguíneo e sistema digestivo, esteja em alerta máximo. “Os hormônios de luta ou fuga são liberados para aumentar a pressão arterial, a frequência cardíaca, a tensão muscular e a respiração, todos destinados a emergências de curto prazo”, diz a cofundadora da Nutrafol.

Para se acalmar, a especialista sugere duas ou quatro pausas de 20 minutos por dia para fazer algo prazeroso. “Tudo funciona: você pode ler, meditar, cantar, orar, fazer ioga, ser atento, jogar cartas, conversar com amigos, assistir a uma comédia, rir ou receber uma massagem nas costas”, detalha.

Mente cansada

Já se preparou para uma apresentação no cliente e, chegada a hora, não conseguiu reuniu as palavras? A neuropsicóloga Amy Serin diz que, quando nos sentimos extremamente estressados, não podemos acessar memórias ou informações. Nossas mentes terão dificuldade em se concentrar, não importa o quanto se tenha estudado. Isso ocorre porque o corpo entra em estado de ansiedade e coloca em risco todas as funções que não são necessárias para a sobrevivência imediata.

Para evitar esse bloqueio, Amy sugere o uso de aplicativos de meditação que ensinam técnicas de respiração profunda. Dar um passeio fora do escritório para respirar também ajuda a aliviar a angústia.

Fonte: Exame.com - 02/04/2019

guia fornecedores