Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

varejo crescimento 23 11 2018

Diante do início de uma recuperação econômica no País, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima que as vendas no varejo em 2019 cresçam 5,2%. Desta forma, o otimismo se reflete ainda este ano: previsão de negócios no setor subirá para 4,5%.

Segundo a confederação, a conjuntura econômica tem-se revelado mais favorável do que no ano passado. “Este ano, o PIB deverá crescer 1,5%, enquanto em 2017 aumentou 1,0%. Para 2019 espera-se taxa maior, de +2,5%”, afirmou por meio de nota.

Além disso, a movimentação da economia deverá continuar nos próximos meses e influenciar positivamente a Intenção de Consumo das Famílias (ICF). “Diante de um cenário mais favorável, espera-se que as intenções de consumo continuem crescendo nos próximos meses, de maneira a refletir as expectativas do comportamento esperado para a economia”, registrou a associação por meio de comunicado à imprensa.

A ICF deste mês alcançou 87,6 pontos em novembro de 2018, registrando alta de 1,1% em relação ao mês passado. O levantamento de novembro da CNC mostra que o ICF foi puxado pelo crescimento dos componentes das perspectivas de consumo (+3,4%), compras a prazo (+1,2%), perspectiva profissional (+1,0%) e nível de consumo atual (+2,5%).

Para a confederação, o aumento deste último indicador pode estar relacionado às expectativas de acréscimo da renda com o recebimento do PIS e do 13º salário, a estabilidade de preços, a recuperação da economia e as compras para o Natal.

Na comparação com novembro de 2017, o índice aumentou 9,2%, com destaque para as percepções quanto ao nível de consumo atual (+23,9%). “As famílias se mostram mais satisfeitas. Ano passado predominava o número das que achavam que o nível de consumo seria menor (58,3%), e agora observamos que esse percentual caiu para 49,3%”, pontua, por meio de nota, o economista da CNC, Antonio Everton.

Fonte: Portal Newtrade - 23/11/2018

guia fornecedores