Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

elon musk 04 05

O CEO da Microsoft, Satya Nadella, começou sua carreira como engenheiro. Elon Musk, da Tesla, começou trabalhando em uma madeireira. Já Bill Gates começou como bibliotecário. O caminho do sucesso pode ser bem variado e certamente não há uma fórmula mágica. Para entender melhor como os CEOs chegaram onde estão hoje, o LinkedIn analisou os perfis da rede social de mais de 12 mil executivos com esse cargo em 20 países.

O estudo do LinkedIn mostra que a maioria desses executivos começou suas carreiras trabalhando como consultores. O segundo trabalho mais popular em seus perfis é o engenheiro de software. “Ao olhar para o caminho dos líderes em algumas das principais empresas do mundo, esta análise pode ajudar a fornecer informações sobre os movimentos que se deve considerar agora para chegar lá no futuro”, diz a diretora de insights do LinkedIn Talent Solutions, Sarah O’Brien, ao CNBC. .

A pesquisa aponta que os consultores tendem a enfrentar desafios complexos em diferentes frentes de negócios e ambientes de trabalho, o que oferece um terreno de prática ideal para as habilidades que os CEOs precisam usar todos os dias.

Confira os 10 trabalhos de começo de carreira mais comuns entre CEOs:

1. Consultor
2. Engenheiro de Software
3. Analista
4. Gerente de Vendas
5. Gerente de projetos
6. Gerente de Contas
7. Gerente
8. Fundador
9. Sócio de negócio
10. Desenvolvedor de Software

O relatório aponta que que esses cargos refletem o trabalho mais antigo dos CEOs em seu perfil no LinkedIn – não necessariamente seu primeiro emprego da vida deles. “Nossos dados provavelmente deixam de lado muitos estandes de limonada. Além disso, os entrevistados podem listar apenas seus trabalhos mais significativos, optando por deixar estágios ou posições júnior de lado”, explica o relatório.

Fonte: InfoMoney - 15/06/2018

guia fornecedores