Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

diversidade cervesia

A diversidade – principalmente de gênero – impulsiona diretamente o resultado de um negócio, segundo uma nova pesquisa divulgada nesta semana e realizado pela DDI, empresa de análise e pesquisa, e a Ernst & Young (EY). O estudo, que fez um panorama da liderança global em vários aspectos (diversidade, transformação digital, propósito, cultura, entre outros) analisou dados de 2,4 mil empresas de 54 países.

Os resultados mostraram que as mulheres representam atualmente menos de um terço dos papéis de liderança (29%) – sendo que a maioria deles em posições mais júnior. Mesmo com a disparidade, a diversidade impacta quando existe. Segundo o estudo, as empresas que tiveram 30% de diversidade de gênero – e mais de 20% no nível sênior – apresentaram melhores resultados financeiros na comparação com as demais. Onde há diversidade significativa, é 1,4 maior a chance de crescimento sustentado e lucrativo.

Nas empresas com maior diversidade, a chance dos líderes trabalharem de forma colaborativa para criar novas soluções e oportunidades é duas vezes maior. Nestas empresas a chance dos funcionários criarem sinergias de negócio é 1,5 maior e há 1,7 mais chance de construir-se uma liderança forte.

O estudo também afirmou que os líderes de organizações com diversidade não possuem habilidades diferentes dos líderes das outras empresas. “Eles trabalham com uma mentalidade diferente – e não com outras habilidades”, diz o estudo. Por outro lado, esses líderes mostram-se mais propensos a estimularem o desenvolvimento pessoal de seus funcionários e têm extremo foco no que fazem. “Esta mentalidade de desenvolvimento é possível graças a práticas organizacionais que permeiam o desenvolvimento e conversas frequentes sobre o crescimento profissional”, diz o estudo.

Fonte: Época Negócios - 26/02/2018

guia fornecedores