Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

O mercado extremamente competitivo leva a preços, qualidade e condições de entrega semelhantes entre si e apenas aqueles que possuem um diferencial conseguem sobressair. Este diferencial pode ser obtido, por exemplo, pela redução de custos na elaboração de determinado produto, permitindo maior margem ao fabricante, que pode então reinvestir no seu negócio, de modo a obter maiores reduções e aumento da qualidade. Alguns optam por transferir estes ganhos na redução de custos para o preço de seu produto, beneficiando diretamente os consumidores.

Uma série de fatores deve ser levada em consideração quando se fala em redução de custos, como por exemplo, o consumo de água, energia elétrica, óleo combustível, entre outros.

Redução do desperdício de água

Atualmente o consumo de água no mundo divide-se da seguinte forma: agricultura - 69%, indústria - 23% e doméstico - 8%.

Em nossa vida diária, o desperdício de água começa em casa, com sua utilização no banheiro, na cozinha e na lavagem de roupas. O consumo de água em prédios é maior devido à pressão da coluna de água. Exemplo:

Tipo de consumo Litros de água consumidos
A. Banho de ducha (15 minutos) 240
B. Banho de chuveiro elétrico 144
C. Válvula de descarga (6 segundos) 10 (com problema = 30 litros)
D. Lavar louça com torneira aberta (15 minutos) 240
E. Máquina de lavar roupas (5 kg) 135
F. Tanque com torneira aberta (15 minutos) 280

 

O consumo de água em indústrias de bebidas é muito elevado e uma série de medidas podem ser adotadas para minimizá-lo:

- produzir apenas a quantidade de água quente que será utilizada;

- a água quente deveria ter uma temperatura tão elevada, que não necessite ser aquecida novamente, a não ser para fins especiais, como esterilização;

- os sistemas CIP necessitam de menor quantidade de água e não consomem volumes não-planejados;

- para o resfriamento de compressores, a quantidade de água de resfriamento necessária deve ser controlada em função da temperatura;

- a lavadora de garrafas deve apenas utilizar água quando em funcionamento. A água utilizada pode ser reutilizada na lavagem de garrafeiras plásticas ou na entrada da lavadora, para umedecer as garrafas;

- a água de resfriamento limpa, do resfriamento dos compressores, pode ser utilizada para limpezas em geral, como limpeza de pátio ou de caminhões ou para regar o gramado e árvores;

- na aquisição de novos equipamentos deve-se enfatizar a economia de água;

- utilizar pistolas de fechamento automático para a limpeza do chão e equipamentos.

O desperdício de água em uma fábrica ou escritório pode ser observado na tabela a seguir:

Tipo de vazamento garrafas de 2 litros Litros de agua/mês Equivalente em
A. Uma torneira pingando (1 gota por segundo) 216 litros/mês 108
B. Uma torneira com vazamento contínuo (fio de água) 21.600 litros/mês 10.800
C. Vazamento mínimo de registro embutido na parede 432 litros/mês 216

 

Os números acima se tornam mais expressivos quando levamos em conta o grande número de torneiras, válvulas, bebedouros e chuveiros existentes em uma empresa. Como exemplo, podemos tomar uma empresa que possui cerca de 290 pontos de água com um vazamento mínimo (uma gota por segundo) ao longo de um mês:

Cálculo: 290 pontos de água x 216 litros/mês = 62.640 litros/mês = 62,64 m3. Este valor pode representar uma fração significativa da vazão da Estação de Tratamento de Água (ETA).

Economia de energia elétrica - um exemplo prático

O consumo de energia elétrica de uma cervejaria, por exemplo, oscila entre 7 e 12 kWh/hl produzido de cerveja. Estes índices variam de empresa para empresa, de acordo com a sua configuração e linha de produtos.

Um exemplo prático de empresa que utiliza a automação industrial para reduzir custos é citado a seguir:

O Centro de Controle Industrial implantado na Coca-Cola de Brasília permite a racionalização do trabalho, com economia de energia elétrica. Atualmente existem três sistemas em operação: o CFTV, o Sistema Supervisório de Energia Elétrica e o Sistema Supervisório de Refrigeração.

Em agosto deste ano deverão ser implantados mais dois Sistemas Supervisórios: o de Produção e o de Manutenção. O sistema CFTV propicia uma maior segurança nas instalações da fábrica e conseqüentemente dos funcionários. O Sistema Supervisório de Energia Elétrica tem como objetivo monitorar constantemente o consumo de energia elétrica dentro das grandes unidades consumidoras (indústria, administração e outras), bem como minimizar os desperdícios.

O sistema controla a demanda contratada, o consumo de energia e o fator de potência, eliminando qualquer tipo de multa. 

Os benefícios da instalação do sistema foram:

- redução do custo de energia elétrica;
- conhecer o perfil da demanda da instalação, possibilitando sua recontratação adequada;
- registrar o consumo de energia em cada setor da fábrica (linhas de engarrafamento, máquinas 
auxiliares, administração, etc.);
- aumento da produtividade em litros de bebida produzidos por kWh consumidos: de 12 litros/kWh para 22 litros/kWh.

O Sistema Supervisório de Refrigeração foi desenvolvido para supervisionar e controlar o sistema de refrigeração, otimizando o uso de compressores e condensadores, monitorando as pressões e temperaturas do sistema, além de monitorar a temperatura da bebida em tempo real.

Os benefícios da instalação do sistema podem ser enumerados como segue:

- aumento da eficiência;
- eliminação de tarefas repetitivas;
- baixo custo de manutenção;
- redução de consumo de energia elétrica;
- redução do consumo de amônia;
- redução da perda de bebida devido a sua alta temperatura;
- eliminação da variações de temperatura e pressão do sistema.

Ambos os sistemas utilizam o que há de mais moderno no mercado mundial para automação industrial. Através da iluminação correta dos ambientes de trabalho ou postos de trabalho pode-se economizar energia. Sabe-se que o consumo de energia elétrica para a iluminação pode significar de 10 a 15% do consumo total de energia.

Uma iluminação supérflua, por exemplo, de grandes armazéns de estocagem, deve ser evitada. A divisão das áreas de iluminação e mantendo desligadas aquelas que não são necessárias, também traz economia de energia.

Economia de óleo

A economia de óleo combustível pode ser obtida a partir da operação correta do gerador de vapor até inspeções regulares de toda a rede de distribuição de vapor da fábrica.

Um modo eficiente de se detectar perdas de calor e vazamentos é a termografia por infravermelho, que indica exatamente o local onde há perdas por deficiência de isolamento ou vazamento.

A prática mostra que 10 a 20% do comprimento total das tubulações de vapor apresentam falhas de isolamento.

Pessoal

Naturalmente o aumento da consciência do pessoal quanto aos elevados custos de energia e água e também a consciência ecológica tem um papel importante na redução do desperdício. A educação e treinamento permanentes dos funcionários - de forma contínua e planejada, devem ser os agentes de mudança da empresa, de modo que ela possa enfrentar uma economia globalizada e garantir a sua sobrevivência. Todo programa de educação e treinamento deve ser baseado no lema “educar, treinar e fazer”. Se a educação e treinamento das pessoas demanda um esforço enorme, só deveremos fazê-lo quando diante de uma necessidade evidente proveniente de necessidades da empresa. E, baseado no fato de que é difícil educar e treinar, devemos manter na empresa as pessoas hábeis nas atividades necessárias à sobrevivência da mesma.

A implantação do “5S” promove o aculturamento das pessoas a um ambiente sem desperdícios, organizado, limpo, higiênico e disciplinado, que são fatores muito importantes para uma elevada produtividade. O significado dos “5S” é baseado nas iniciais de cinco palavras japonesas:

Seiri (Arrumação), Seiton (Ordenação), Seisoh (Limpeza), Seiketsu (Asseio) e Shitsuke (Auto-disciplina).

O estabelecimento de metas deve ser a partir de diretrizes da alta direção da empresa ou pelo próprio gerente. O estabelecimento de metas deve ser efetuado a partir da análise dos resultados do ano anterior. Então devem ser definidos os procedimentos (métodos) a serem seguidos para o cumprimento das metas. Não adianta dizer para o pessoal que “nós temos que reduzir o desperdício de tal insumo ou que temos que melhorar a qualidade do produto X, pois há muitas reclamações!”.

As decisões devem ser tomadas com base em fatos e dados e jamais no “achismo”. A meta estipulada deve ser numérica e o método (plano de ação) deve ser detalhado para que aumente a chance de acerto. O plano de ação é elaborado com base no “5W1H”:

O QUE vai ser feito, QUEM vai fazer, PORQUE vai fazer, COMO vai fazer, ONDE vai fazer e QUANDO vai fazer.

Empresas devem possuir indicadores de desempenho, sob a forma de itens de controle, que expressem de forma numérica, a evolução do processo. Estes itens de controle podem ser divididos em Qualidade, Custo, Moral, Atendimento e Segurança (Q, C, M, A, S).

A melhor maneira de exprimir os resultados é através de gráficos de controle (que demonstram-nos claramente, sem a necessidade de explicações desnecessárias).

Devemos nos lembrar de que só controlamos aquilo que medimos. É como se fôssemos dirigir um automóvel sem atentar para os “indicadores”, como velocímetro, marcador de combustível, nível de óleo, água, líquido do radiador, pressão dos pneus etc.

A padronização é necessária para assegurar a manutenção de um processo, ou seja, tornar previsíveis os seus resultados (produtos ou serviços). O Procedimento Operacional Padrão (P.O.P.) visa padronizar uma tarefa, de modo que todos executem a mesma tarefa, conduzindo-a da mesma maneira. É uma maneira de evitar desperdícios.

Apenas o acompanhamento sistemático dos índices relativos aos consumos de energia elétrica, água, vapor, etc. permitirá empreender ações corretivas e preventivas, que em conjunto com a participação ativa dos funcionários (motivados), fará com que estes processos possam ser racionalizados.

Agradeço a colaboração do Engº Rafael Rosano Neto (Brasal Refrigerantes-Brasília), pelas informações cedidas

Fonte: Matthias Rembert Reinold 
Especialista em gestão pela qualidade total (T.Q.C.)

guia fornecedores