Acessar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *

home beer brewers change alcohol laws

Lema “Beba menos, beba melhor”, associado ao setor de cervejas artesanais, pode ser uma alternativa para lidar com a crise da Covid-19

O cenário inédito criado pela pandemia do coronavírus provoca a adoção de novos comportamentos e rotinas, especialmente pela necessidade da realização de uma quarentena para evitar a propagação rápida da doença. E essa situação leva o consumo de bebidas alcoólicas para as residências. Especialistas consultados pelo Guia alertam para os riscos que envolvem o uso abusivo delas. Mas também avaliam que, moderadamente, a cerveja pode ter efeito relaxante dentro do atual contexto de estresse.

“O consumo de pequenas quantidades tem um efeito relaxador que pode ajudar muito em uma época estressante como esta que estamos vivendo na quarentena. Quando digo ’em pequena quantidade’ estou me referindo a aproximadamente 300 ml de cerveja, o que equivale a um taça de vinho”, relata o médico infectologista Alexandre Fernandes Adami.

De acordo com conceitos antigos da Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo máximo de álcool por semana deveria ser de 21 unidades para homens e 14 unidades para mulheres, com cada unidade equivalendo a 10 gramas de álcool. Portanto, a ingestão moderada de cerveja pode ser mais segura do que a de outras bebidas com graduação alcoólica maior. Faria, assim, ainda mais sentido o lema “Beba menos, beba melhor”, bastante associado ao setor de artesanais.

“O que importa são as gramas de álcool ingerido. Pensando em pandemia, é melhor, se for tomar algo ocasionalmente, optar por uma cerveja ou um chope, pela menor concentração alcoólica. Mas, claro, o mais importante será limitar a quantidade”, destaca a infectologista Thaluama Cardin.

Da mesma forma, em uma quarentena, que impede as pessoas de realizarem atividades rotineiras e que provoquem prazer, pode até haver algum efeito benéfico, especialmente psicológico, no consumo consciente e moderado de cerveja.

“A tendência é que se tenha um certo relaxamento, o que pode levar à diminuição do estresse, com isso mantendo o eixo hormonal em bom funcionamento e o organismo como um todo”, acrescenta Fernandes Adami.

Riscos do consumo abusivo
O cenário se altera radicalmente, porém, se o consumo de bebidas alcoólicas ocorrer de forma abusiva. Afinal, haverá sobrecarga de vários órgãos do corpo, como o fígado, que metaboliza a maior parte da bebida, gastando reservas do organismo nessa atividade.

Dessa forma, o excesso tiraria eficiência dos nossos sistemas e enfraqueceria o imunológico, que perderia eficiência. O resultado seria um corpo mais vulnerável diante de infecções ou de qualquer outra adversidade na quarentena, como enumera Thaluama.

“Os efeitos são diminuição da síntese de albumina, redução da concentração sérica de magnésio, cálcio e fosfato, hipoglicemia, aumento do lactato e da cetona e elevação do consumo de oxigênio. Também tem ação tóxica direta na formação dos granulócitos e, por ação indireta, redução da absorção do ácido fólico e formação inadequada de hemácias”, aponta.

Além disso, a presença do álcool no corpo dificulta o combate pelo sistema imunológico dos efeitos de uma infecção viral, ainda mais porque costuma afetar a alimentação e o ciclo do sono. “Quanto mais abusarmos do nosso corpo, maior a chance de ele não responder da melhor maneira possível a uma infecção (qualquer que seja) e maior a chance de se ter um quadro grave da doença”, alerta Fernandes Adami.

A infectologista detalha como o álcool atrapalha o combate a uma infecção viral. “A resposta imune pode estar comprometida em diversas etapas nesses indivíduos e a imunodepressão decorre tanto de alterações nos mecanismos de defesa primários, como do comprometimento da imunidade celular e humoral. As desordens descritas ocorrem na atividade mucociliar do epitélio respiratório, no reflexo da tosse, na secreção de IgA pela mucosa e na diminuição do número de linfócitos, principalmente os natural killer, que são as células de defesa do nosso corpo”, explica Thaluama.

E, evidentemente, diante de qualquer suspeita de ter contraído a Covid-19, a ingestão de bebidas alcoólicas deve ser evitada completamente na quarentena. “O álcool atrapalha a atuação de seu sistema imunológico, além de poder induzir desidratação e hipoglicemia. E o indivíduo precisará do seu organismo sadio para enfrentar a infecção”, ressalta Thaluama.

“O corpo tem de priorizar: ou ele combate o vírus, ou combate o álcool que a pessoa está ingerindo. E, na pior das hipóteses, pode levar a uma doença mais grave”, complementa Fernandes Adami.

 

Fonte: Guia da Cerveja – 11/04/2020

cervesia - rehab4alcoholism